• HOME Notícias
  • Começam as negociações para a adesão do Brasil ao pacto de compras governamentais

    IMPRIMIR

    5.3.2021

    As Partes do Acordo de Compras Governamentais (GPA, sigla em inglês) iniciaram negociações em 3 de março sobre a adesão do Brasil ao GPA em uma reunião virtual do Comitê de Compras Governamentais. Esta foi a primeira reunião do Comitê desde que o Brasil divulgou em fevereiro sua oferta inicial de acesso ao mercado, um documento-chave necessário para "dar o impulso" nas negociações.

    O Embaixador do Brasil na OMC, Alexandre Parola, disse que a adesão ao GPA é uma prioridade para o Brasil, tendo em vista a oportunidade que oferece para promover a integração do país na economia mundial. Ele disse que, apesar da pandemia COVID-19, o Brasil conseguiu fazer circular uma oferta inicial de acesso ao mercado "muito ambiciosa" e "abrangente", que pode somar US$ 145 bilhões por ano ao mercado de compras coberto pelo GPA. Como o primeiro país da América Latina a buscar adesão ao GPA, o Brasil estava ansioso por provar que "os benefícios de se tornar parte do GPA são acessíveis a todos os membros da OMC".

    O secretário de Comércio Exterior do Brasil, Lucas Ferraz, disse que o país busca "uma adesão tranquila, recíproca e ágil" e permanece aberto à discussão com as partes "para avançar o mais rápido possível".

    O Comitê elogiou o Brasil por enviar um sinal muito encorajador durante a crise do COVID-19 e por apresentar documentos de adesão que constituem "uma base sólida" para o início das negociações. A adesão do Brasil seria um desenvolvimento valioso para o GPA, disseram. O Brasil apresentou seu pedido de adesão ao GPA em maio de 2020.

    Além da oferta inicial de mercado circulada no mês passado, o Brasil enviou respostas a uma lista de verificação de questões relacionadas à sua legislação de compras governamentais em outubro de 2020. O Brasil negociará seus termos de participação com os 48 membros da OMC do GPA. Esses termos constam da programação de cada uma das partes (disponível no portal e-GPA), que define seus compromissos com relação a:

    - as entidades adquirentes cujos processos de aquisição serão abertos a licitantes estrangeiros

    - os bens, serviços e serviços de construção abertos à concorrência estrangeira

    - os valores-limite acima dos quais as atividades de aquisição estarão abertas à concorrência estrangeira e

    - exceções à cobertura.

    Também houve progresso na reunião sobre a adesão ao GPA da China, Cazaquistão, República do Quirguistão, Macedônia do Norte e Rússia. Informações sobre essas palestras podem ser encontradas aqui. O Comitê também considerou questões relacionadas à implementação do Acordo e dos Programas de Trabalho acordados pelo Comitê.

    As partes e observadores do Acordo podem ser encontrados aqui.

    O GPA é um Acordo multilateral da OMC, o que significa que nem todos os membros da OMC são partes dele. Embora esteja aberto a todos os membros da OMC, o GPA é vinculativo apenas para os membros que o aderiram.

    O Acordo visa abrir os mercados de compras governamentais à concorrência estrangeira de forma recíproca e na medida acordada entre as partes do GPA. Também visa tornar as compras governamentais mais transparentes e promover a boa governança. A abertura recíproca do mercado auxilia as partes do GPA na compra de bens e serviços que oferecem o melhor valor pelo seu dinheiro. O Acordo fornece garantias legais de não discriminação para os bens, serviços e fornecedores das partes do GPA nas atividades de aquisição cobertas, que valem cerca de US$ 1,7 trilhão anualmente. As compras governamentais representam normalmente cerca de 15% do PIB dos países desenvolvidos e em desenvolvimento.
    Fonte:Organização Mundial do Comércio - OMC

    Fonte Internet: Aduaneiras, 05/03/2021