• HOME Notícias
  • Balança Comercial Brasileira - Novembro 2017 - 1ª e 2ª Semanas

    IMPRIMIR

    14.11.2017

     RESULTADOS GERAIS

    Nas duas primeiras semanas de novembro de 2017, que totalizaram 7 dias úteis, a balança comercial registrou superávit de US$ 1,822 bilhão, resultado de exportações no valor de US$ 6,252 bilhões e importações de US$ 4,430 bilhões. No ano, as exportações somam US$ 189,719 bilhões e as importações, US$ 129,434 bilhões, com saldo positivo de US$ 60,285 bilhões.

     ANÁLISE DO MÊS

    Nas exportações, comparadas as médias até a 2ª semana de novembro/2017 (US$ 893,2 milhões) com a de novembro/2016 (US$ 810,8 milhões), houve crescimento de 10,2%, em razão do aumento nas vendas de produtos básicos (+35,3%, de US$ 277,0 milhões para US$ 374,6 milhões, por conta, principalmente, de soja em grãos, milho em grãos, minério de ferro, carne bovina, algodão em bruto, minério de cobre) e semimanufaturados (+12,5%, de US$ 122,2 milhões para US$ 137,4 milhões, por conta, principalmente, de celulose, semimanufaturados de ferro/aço, ferro fundido, ferro-ligas, ouro em formas semimanufaturadas). Por outro lado, caíram as vendas de produtos manufaturados (-8,0%, de US$ 394,8 milhões para US$ 363,2 milhões, por conta de açúcar refinado, tubos flexíveis de ferro/aço, gasolina, medicamentos, centro de usinagem de metais). Relativamente a outubro/2017, houve retração de 0,6%, em virtude da queda nas vendas de produtos básicos (-7,1%, de US$ 403,2 milhões para US$ 374,6 milhões) e semimanufaturados (-2,4%, de US$ 140,8 milhões para US$ 137,4 milhões), enquanto cresceram as vendas de produtos manufaturados (+9,0%, de US$ 333,3 milhões para US$ 363,2 milhões).

    Nas importações, a média diária até a 2ª semana de novembro/2017, de US$ 632,9 milhões, ficou 10,4% acima da média de novembro/2016 (US$ 573,1 milhões). Nesse comparativo, aumentaram os gastos, principalmente, com alumínio e obras (+69,9%), combustíveis e lubrificantes (+44,8%), equipamentos eletroeletrônicos (+26,6%), químicos orgânicos e inorgânicos (+18,9%), plásticos e obras (+17,1%) e veículos automóveis e partes (+12,3%). Ante outubro/2017, registrou-se queda de 2,8%, pela diminuição nas compras de aeronaves e peças (-62,4%), adubos e fertilizantes (-32,1%), cobre e obras (-25,7%), combustíveis e lubrificantes (-23,3%) e veículos automóveis e partes (-3,7%).
      
    Fonte Internet: MDIC, 14/11/17